Influência do comportamento alimentar e da imagem corporal na autoestima de indivíduos
PDF

Palavras-chave

comportamento alimentar
imagem corporal
autoestima eating behavior
self-esteem
body image

Como Citar

Cantanhêde de Oliveira Cruz, M., Pereira Campos, L. ., & da Costa Maynard, D. . (2021). Influência do comportamento alimentar e da imagem corporal na autoestima de indivíduos. Advances in Nutritional Sciences, 2(1), 94–105. https://doi.org/10.47693/ans.v2i1.29

Resumo

Com o passar dos anos, os hábitos alimentares e o consumo alimentar ganharam uma nova forma e passaram a impactar em novas escolhas alimentares, uma vez que o ato de se alimentar sugere um momento de prazer e nutrição, o tipo de comportamento alimentar pode se referir a um momento de escape de emoções descontroladas podendo estar associado a transtornos alimentares. Com isso, a imagem corporal, principalmente após a evolução da mídia, representa um grande reconhecimento social que leva a interpretação de felicidade, confiança e autoestima. O presente estudo teve como objetivo principal, avaliar a percepção de satisfação com a imagem corporal e comportamento alimentar correlacionado a autoestima de adultos, voltado para uma pesquisa do tipo transversal e descritiva, avaliada por meio de questionários aprovados e publicados, sendo eles BSQ (Body Shape Questionnaire), Escala de Silhueta de Kakeshita, EAT-26 (Eating Attitudes Test) e Escala de Rosenberg. A amostra foi composta por 306 participantes, onde foi constatado que 36,3% da amostra encontra-se em excesso de peso (sobrepeso e obesidade) e 52% da amostra apresentam algum grau de insatisfação corporal. O público masculino na sua maioria apresenta estado de sobrepeso/obesidade, porém não demonstram insatisfação com o corpo se comparado com o público feminino que apresentou 45,4% para algum tipo de insatisfação corporal. Observou-se neste estudo, que 88,6% de todos os adultos estão com a autoestima baixa e que apenas 11,4% apresentam a autoestima elevada. Na coleta, dos 271 participantes com autoestima baixa, 26,6% apresentam maior risco para Transtorno Alimentar de acordo com o EAT-26. Portanto, é possível concluir que existe uma relação direta entre distorção de imagem corporal e baixa autoestima, como também, há uma maior relação entre risco de transtorno alimentar no público feminino.

https://doi.org/10.47693/ans.v2i1.29
PDF

Referências

Pinheiro K. História dos hábitos alimentares ocidentais. Universitas Ciências da Saúde, 2005;3(01):173-190.

Kupfer D. J., et al, Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders. 5 ed. United States - Arlington: American Psychiatric Association, 2014.

Silva J.; Prado S.; Seixas C. Comportamento alimentar no campo da Alimentação e Nutrição: do que estamos falando? Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 2016;26(4):1103-1123.

Ribeiro G., Pereira L.; Mello A. A relação do comportamento alimentar com a autopercepção da imagem corporal. Advances in Nutritional Sciences, 2020;1(1);21-32.

Fernandes A.; Viana M.; Liz C.; Andrade A. Autoestima, imagem corporal e depressão de adolescentes em diferentes estados nutricionais. Revista de Salud Pública, 2017;19(1):66-72.

Macedo J.; Oliveira A.; Reis E.; Assunção M. Prevalência de insatisfação corporal em praticantes de atividade física. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, 2019;13(81):617-623.

Fortes L.; Meireles J.; Neves C.; Almeida S. Autoestima, insatisfação corporal e internalização do ideal de magreza influenciam os comportamentos de risco para transtornos alimentares? Rev. Nutr., Campinas, 2015;28(3);253-264.

Sopezki D. Relacionamento primário com a figura materna e autoestima em mulheres com transtornos alimentares. 2009. Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica) - Faculdade de Psicologia, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.

Cooper P.J.; Tyalor M.J.; Cooper Z. F. The development and validation of the Body Shape Questionnaire. International Journal Eating Disorder, 1987;6(4):485-494.

Machado K.S; Nicida D. P. O uso de duas escalas de silhueta na avaliação da satisfação corporal de adolescentes: revisão de literatura. Revista de Saúde, Meio Ambiente e Sustentabilidade, 2014;9(2).

Bighetti F. Tradução e Validação do Eating Attitudes Test (EAT-26) em adolescentes do sexo feminino na cidade de Ribeirão Preto - SP. Ribeirão Preto, 2003:101.

Viscardi A; Correia P. Questionários de avaliação da autoestima e/ou da autoimagem: vantagens e desvantagens na utilização com idosos. Revista Brasileira de Qualidade de Vida, 2017;9(3):261-280.

Kakeshita I. S., Silva, A. I. P., Zannatta, D. P., & Almeida, S. S. (2009). Construção e fidedignidade teste-reteste de Escalas de Silhuetas Brasileiras para Adultos e Crianças. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 25, 263-270.

Hutz C. S.; Zanon C. Revisão da adaptação, validação e normatização da Escala de Autoestima de Rosenberg. Avaliação Psicológica, 2019;10(1): 41-49.

Cardoso L.; Niz L.; Aguiar H.; Lessa A. Insatisfação com a imagem corporal e fatores associados em estudantes universitários. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, 2020;69(3).

Albuquerque A.; Guimarães M.; Macedo S. Ditadura da beleza: conflitos do próprio eu. 2020.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2021 Marcella Cantanhêde de Oliveira Cruz, Letícia Pereira Campos, Dayanne da Costa Maynard