O uso de probióticos e prebióticos orais e tópicos no tratamento da acne inflamada em adolescentes – Estudo de caso comparativo.
PDF

Palavras-chave

Acne
probióticos
prebióticos
inflamação

Como Citar

A. Herrera, R. F. ., & Rocha Mota, L. (2021). O uso de probióticos e prebióticos orais e tópicos no tratamento da acne inflamada em adolescentes – Estudo de caso comparativo. Revista Científica De Estética E Cosmetologia, 1(2), 86–96. https://doi.org/10.48051/rcec.v1i2.28

Resumo

A etiopatogenia da acne compreende o acúmulo de sebo no folículo pilossebáceo, hiperqueratinização e colonização de bactérias. Indivíduos com acne apresentam baixa estima que acaba diminuindo a qualidade de vida, devido a esse fator, existe uma busca incessante pelo melhor tratamento para a patologia. É sabido que nos quadros de acne inflamatória, o organismo desencadeia a inflamação na busca pela destruição do agente agressor. Acredita-se que o uso de probióticos e prébióticos seja eficaz no controle da inflamação e devolução da homeostase. Este estudo avaliou a eficácia do tratamento tópico, oral e da associação oral/tópico com cepas probióticas e prébióticos. O estudo foi realizado em 3 adolescentes do sexo masculino com a mesma média de idade e acne inflamada na face. O objetivo foi comparar a eficácia das diferentes vias de administração dos probióticos  e prebióticos e seus efeitos sobre a acne inflamada. Foi realizada a contagem de número de lesões e a porcentagem de redução antes e após o tratamento. Os resultados revelaram uma redução de 78% nas lesões inflamadas no tratamento tópico, 57% no tratamento oral e 39% na associação dos tratamentos oral e tópico. O tratamento com probióticos e prébioticos  mostrou se eficaz no tratamento da acne.

https://doi.org/10.48051/rcec.v1i2.28
PDF

Referências

Silva A.M.F.; da Costa F.P. ;Moreira M.- Acne Vulgar : diagnóstico e manejo pelo médico de família e comunidade. .Revista Brasileira de Medicina Familia e Comunidade. 2014. 9(30):54-63.

Brenner FM, Rosas FMB, Godens GA, Sulzbach ML, Carvalho VG, Tamashiro V. - Acne:um tratamento para cada paciente. Revista de ciências médicas. 2006 15(3):257-266.

Figueiredo A, Massa A, Picoto A, Soares AP, Basto AS, Lopes C et al. -Avaliação e tratamento do doente com acne – Parte II : Tratamento tópico, sistêmico e cirúrgico, tratamento da acne da grávida algorítimica terapêutica .Rev Post Clin Geral. 2011, 27(1):66-7.

Waitzberg DL. Nutrição Oral, Enteral e Parenteral. 4.ed. São Paulo, Brasil: Atheneu; 2009.

Fuller R.- Probiotics in man and animals. Journal of Applied Bacteriology. 1989, 66:365-78.

Dolinsky M.- Nutrição funcional. 2.ed. São Paulo, Brasil:Roca; 2009.

WGO Global Guideline . Probiotics and prebiotics, 2017.

Maguire, M., Maguire, G. O papel da microbiota e probióticos e prebióticos na saúde da pele. Arch Dermatol Res 309, 411-421 (2017). https://doi.org/10.1007/s00403-017-1750-3

Glück U., Gebbers J.O. - Ingested probiotics reduce nasal colonization with pathogenic bacteria (Staphylococcus aureus , Staphylococcus pneumonia, and b-hemolytic streptococci). Am J Clin Nutr 2003, 77:517-20.

Shin H, Pei Z, Martinez K.A., Rivera- V.J.I, Mendez K, Cavallin H, Dominguez, B.M.G. .- The first microbial environment of infants born by C-section: the operating room microbes,. Microbiome .2015 . 3:59.

Studinger T, Pipal A, Redl B (2011) Molecular analysis of the prevalent microbiota of human male and female forehead skin compared to forearm skin and the influence of make-up. J. Appl Microbiol 110:1381 – 89.

Oliveira M, Sivieri K, Alegro JHA., Saad SMI. -Aspectos tecnológicos de alimentos funcionais contendo probióticos. Revista Brasileria de Ciências Farmacêuticas. 2002, 38(1):1-21.

Bowe WP, Logan AC .Acne vulgaris, probiotics and the gut-brain-skin axis - back to the future? Gut Pathogens. 2011, 3(1): 1-11.

Di Marzio L, Cinque B, De Simone C, Cifone MG. -Effect of the lactic acid bacterium Streptococcus thermophilus on ceramide levels in human keratinocyte in vitro and stratum corneum in vivo. Journal Investigal Dermatology. 1999,113(1):98-106.

Berbel F.M., Ferreira K.F.R., Sampaio L.R.S.G., Carreira C.M., Lonni A.A.S.G. Probióticos no tratamento de dermatite atópica e acne. Visão Acadêmica. Curitiba. 2016, 17(2): 94-115.

Benyacoub J., Bosco N., Blanchard C., Demont A., Phillippe D.- Immune Modulation property of Lactobcillus paracasei NCC2461 (ST11) strain impacto n skin defences .Beneficial Microbes , 5 (2014),pp.129 -136.

Bowe WP.Probiotics in acne and rosácea. Cutis ,92. 2013,pp.6-7.

Marolla A.P.C., Waisberg J, Sara T.G., Waisberg D.R., Margeotto F.B., Pinhal MAS. -Análise da extressão de glicosaminoglicanos sulfatados no tecido humano neoplásico corretal e na mucosa não neoplásica por electrometria de massa porionização por eletrospray. Einstein.2015;13 .v 4 .p510 -511.

Simões , C.M.O., et al. Farmacognosia de planta ao medicamento .Porto Alegre/RS: editora universitária UFRGS, 4º ed . 2002.

Lahteinen, T. et al., Probiotic properties of Lactobacillus isolates originating from porcine intestine and faces. Anaerobe 16 (2010) 293-300.

Arck P., Handjiski B., Hagen E., Pincus M., Brune C., Bienenstock J. - Is there gut- brain-skin axis? Exp Dermatol. 2010; 19. pp.401-405.

Perdigon, G. et al.- Study of the possible mechanisms involved in the mucosal immune system activation by lactic acid bacteria. Journal of Dairy Science, Savoy,1999 v.82, n.6, p.1108-1114.

Bouily G. B., Jeannes C, Maubert Y, Duteil L, Queille R.C., Piccardi N., Montastier C., Manisier P., Piérard G., Ortonne JP.- Clinical evidence of benefits of a dietary supplement containing probiotic and carotenoids on ultraviolet‐induced skin damage..Br J Dermatol.2010 set; 163 (3):536-543.

Nogueira, J.C.; Gonçalves, M.C.R.- Probióticos - Revisão da Literatura. Rev. Bras. de Ciências da Saúde, 2011 .vol.15, n.4, p.487-92.

Solabia Biotecnológica. Ecoskin®. Disponível em: http://www.solabia.com.br/p29,1/Cosmetica/ECOSKIN.html

Kim K.S., Yun H.S. -Production of soluble β-glucan from the cell wall of Saccharomyces cerevisiae. . Enzyme Microb. Technol. 2006. v 39. pp 496–500.

Baranik L.E., Meade A., Lakey C.E., Lance C.E., Hu C., Michalos A., Hua, Wei. -Examining the differencial item functioning of the Rosemberg self- esteem scale across eight countries. Journal of Applied Social Psychology. 2008; 38 (7): 1867-904.

Viscardi AAF. Questionário de avaliação de autestima e/ou da autoimagem:vantagens e desvantagens na utilização para idosos. Revista Brasileira de Qualidade Vida. 2017 9(3):261-80.

Simonetti VMM. Revisão crítica de algumas escalas psicossociais utilizadas no Brasil [dissertação]. Rio de Janeiro: Universidade Gama Filho; 1989.

Kober M.M., Bowe W.P.- The effect of probiotcs on immune regulation, acne and photoaging. International Journal of Women’s Dermatology -v1 Issue 2, june 2015-pp 85-89.

Coppola Mario de Menezes e Turnes Carlos Gil .-Probiótico e resposta imuni- ciência rural, Santa Maria, jul-ago.2004 v.34,n4, p.1297-1303.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2020 Renata Fabiola A. Herrera, Lidiane Rocha Mota